Fortune Ox

Robson Andrade defende urgência na redução do Custo Brasil

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) , Robson Braga de Andrade, defendeu a urgência da redução do chamado Custo Brasil para que as indústrias possam inovar

O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) , Robson Braga de Andrade, defendeu a urgência da redução do chamado Custo Brasil - entraves à competitividade como infraestrutura deficiente, legislação trabalhista arcaica, sistema tributário complexo e elevado, excesso de burocracia - para que as indústrias possam inovar. A declaração foi feita nesta quarta-feira, 26 de outubro, no 6º Encontro Nacional da Indústria (ENAI), no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

"Se não se reduzir o custo Brasil, não vamos inovar. As empresas precisam garantir a competitividade tanto no mercado interno quanto externo e para isso vão ter de inovar", disse Andrade, nos debates do painel A Agenda do Brasil para a Competitividade.

Segundo o presidente da CNI, a área com mais chance de avançar na redução do Custo Brasil é a de infraestrutura, por conta das obras para a Copa do Mundo e as Olimpíadas. "É onde temos mais chance e resultado mais rápido, mas gostaria de ver um resultado imediato na queda dos juros. O juro penaliza enormemente a atividade produtiva", afirmou.

Andrade assinalou que políticas de incentivo a inovação e de redução do Custo Brasil devem ser complementares para garantir a competitividade da indústria. "Precisamos de uma política industrial consistente e de longo prazo, com impacto positivo no setor industrial", enfatizou.

Para a secretária de Desenvolvimento da Produção do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Heloísa Menezes, as duas políticas são complementares. “As duas são estruturantes. O governo tem se mobilizado para oferecer financiamento para incentivar a inovação”, disse ela.

Assinalou que o Plano Brasil Maior traz medidas para garantir a competitividade das empresas. “O aumento da competitividade vem por meio da inovação, da defesa da indústria nacional e o Plano Brasil Maior veio para isso”, concluiu Heloisa Menezes.

O diretor-presidente do Grupo Gerdau, André Gerdau Johanpeter, que também participou do painel, disse que a indústria brasileira é eficiente e produtiva, mas perde competitividade ao ser prejudicada pelo câmbio. "O mercado interno vem sendo tomado por importações e isso tem diminuído o emprego na indústria. Estamos perdendo espaço", destacou.

Para o presidente da fabricante de ônibus Marcopolo, José Rubens de La Rosa, a carga tributária é um dos maiores problemas brasileiros. "A questão tributária atrapalha a internacionalização das empresas", afirmou.

Relacionadas

Leia mais

Brasil precisa aperfeiçoar legislação de preços de transferência, diz Robson Braga de Andrade
Robson Braga de Andrade toma posse no Conselho Superior do Centro de Altos Estudos do TCU
Investimentos do BNDES são essenciais para a retomada do crescimento econômico, diz Robson Braga de Andrade

Comentários

Fortune Ox Mapa do site